Título:  Inverno Negro
Autor: Stefano Sant'anna
Edição: 1
Editora: Empíreo
Ano: 2016
Páginas: 352
Leonan Albuquerque é um adolescente comum que morava com a mãe no Rio de Janeiro. Com sérios problemas para se socializar e sem amigos, Leo, além dos conflitos com a mãe, se sentia estranho e deslocado no meio dos garotos de sua idade. A vida era muito sem graça, até que Leo recebe a estranha visita de um guerreiro de outro mundo que revela a verdade: A vida de Leonan na Terra era uma grande mentira. Principalmente a sua família! Sem saber o que fazer e a quem recorrer, Leo segue com o guerreiro para o planeta onde ambos pertencem. Lá, o garoto descobre que é de uma família real: ele é o herdeiro de Starlândia. E o rei, o seu verdadeiro pai, está desaparecido. A busca por respostas e pela verdadeira família faz com que o jovem enfrente perigos que exigirão mais do que ele esperava ser capaz de enfrentar. O príncipe, agora, tem que correr contra o tempo para dominar o poder do Éter e encontrar uma forma de salvar o rei e o seu verdadeiro lar, antes que a maldição do Inverno Negro arruine o planeta onde o garoto nasceu, e que mal conhece. E mais, Leo deve lutar pela própria sobrevivência, pois o príncipe de Starlândia está sendo caçado!

Classificação:

   Já era para mim ter resenhado esse livro há alguns dias, mas como sabem (quem me acompanha no @ummeninoleitor) minha situação escolar não estava das melhores e o ritmo tem se tornado cada vez mais intenso. Contudo, tirei um tempinho para ler esse lançamento da Empíreo e acabei encontrando um excelente passatempo para me fazer esquecer dos infortúnios escolares. 
   
   Inverno Negro inicia-se mostrando-nos  a conturbada vida de Leonan, que, após um ataque epiléptico na escola onde estuda, encontra-se na sala da Madre Superior  — que, assim como a maioria das pessoas que cercam o pobre garoto, faz pouco caso do mesmo, alegando não querer problemas como o dele em sua instituição de ensino. Depois de ser mandado para casa pela Madre, Leo, após o ataque epiléptico, depara-se com uma nova surpresa: sua mãe vai buscá-lo de moto na escola. Mas quando Lydia aprendeu a andar de moto? E mais: onde sua mãe arrumou uma moto?

   Em meio a dúvidas e incertezas, Leonan segue para casa com Lydia, para então descobrir que sua vida na Terra era uma grande mentira e que, na verdade, Lydia nunca fora sua mãe, tampouco alguma parente próxima. Na verdade, ela sequestrou Leonan de seu lugar de nascimento, Starlândia, quando ele era muito mais novo. Com isso, Leonan passa a compreender o porquê de tanta frieza por parte da mulher que, segundos antes, era sua mãe. Mas não há tempo nem para sentimentos, pois caçadores estão atrás de Leo.

   Quando um dos caçadores consegue encontrá-lo, não há nada que Lydia possa fazer para impedir, e Leo acaba sendo levado para o Reino do qual nunca deveria ter saído, o lugar no qual é herdeiro e príncipe. Isso mesmo: o cara descobre que é um príncipe! Nada mais justo, em virtude de sua desafortunada e pacata vida (falsa, sobretudo) no Rio de Janeiro. 

   De volta a Agnithi Vergo, Leo acaba por fazer dois grandes amigos: os Irmãos Meydym, Pittsonn e Samyra. Através deles, o príncipe descobre que sua família está desaparecida e que a Maldição do Inverno Negro está prestes a acometer todo o território imperial, e o único que pode impedir tal artificio das trevas é ele, Leonan Alburquerque, o Calça Jeans, o garoto pelo qual todos tinham aversão, o garoto que apanhava da falsa mãe, mas que agora é príncipe, e não somente isso!


   Leo é um ser capaz de sentir e manipular todas as formas de energia etérea, e agora, para seguir em sua aventura, só precisa lidar com algumas poucas indagações: Como achar sua família? Como manter-se escondido dos olhares da população? Como saber em quem confiar? Como vencer o Inverno Negro? Como manipular a energia etérea? Essas são só algumas das dúvidas que Leo buscará sanar em sua trajetória que, sim, mostra-se uma grande promessa para os fãs de literatura fantástica. Eu achei que não seria tudo isso, mas estaria mentindo se dissesse que, apesar de poucas inovações, Inverno Negro não é um livro bom.   


   O legal de editoras que, como a Empíreo, publicam poucos livros é que esses "poucos" possuem grandes qualidades, e essa peculiaridade é muito bem vista em Inverno Negro, que possui poucos e bons personagens, por exemplo. Acredito que um ponto muito positivo foi a composição simples de tudo, porque provou que as vezes o segredo está na simplicidade e não no luxo. Leo é o tipo de personagem que eu muito admiro: forte, determinado, cheio de esperança e construído de modo a mostrar que nós, humanos, somos por vezes inexoráveis, mas nunca deixaremos de ser falhos e imperfeitos. E acredito que mostrar um personagem dessa forma é realmente incrível! 

   Como dito, os personagens trabalhados foram poucos, o que deu a narrativa uma centralização melhor e um ritmo mais elétrico. Eu gostei muito do Pitt e da Samyra, pois acredito que eles foram de suma importância na narrativa, principalmente porque temos aqui o Leo, que não sabe nada, fazendo um contraste opulente aos irmãos Meydym, que sabem de tudo e deixam aquela atmosfera de mistério no livro e instiga tanto a curiosidade de Leonan, quanto a do leitor, que fica ávido por ler sempre mais e mais.

   A narração ocorre inteiramente em primeira pessoa, o que considero totalmente fundamental na construção de um bom livro, afinal esse estilo nos permite conhecer o personagem principal (que é o foco, afinal) de forma completa, inteira e de modo que saibamos suas ideias, ações e pensamentos, fazendo com que passemos a compreendê-lo melhor. Nesse quesito, o autor soube fazer com que o livro fluísse bem, principalmente ao soar despretensioso, solto e de fácil entendimento. Stefano tem uma escrita bem descontraída, porém não tão detalhista e pouco formal (e gostei disso!).

   Quanto as críticas, eu não tenho nada especificamente negativo para dizer. Não foi uma de minhas melhores leituras, tampouco uma das piores. Foi, sim, uma boa leitura e só senti falta mesmo de inovações, principalmente porque percebi que o Stefano tem potencial, então por que não buscar reinventar de alguma forma a literatura fantástica? Por que não fugir um pouquinho da tendência? Sei que é fácil falar e difícil fazer (eu também sou escritor, ou quase isso!), mas como o autor tem potencial, acredito que não será difícil para ele fazer isso em Primavera Escarlate, segundo livro da série.

   A edição ficou muito bonita, principalmente a capa — que demonstra um excelente trabalho gráfico. A diagramação também merece toda e qualquer parabenização — "namorei" o livro por horas, quando o recebi —, o mesmo acontece com o design interior, que é muito bem feito, com páginas iniciais pretas, fontes agradáveis, capítulos curtos e papel pólen soft (amarelinho). Quanto a edição, nada a reclamar! Ficou incrivelmente bem feita.

   Ademais, torno a repetir que a leitura é boa e vale a pena. Realmente é um livro que passa longe de ser "chato", "cansativo" ou "sem conteúdo". Sem contar que é uma leitura mega rápida, levei uns dois dias para terminar. Inverno Negro, apesar de tudo, é um prato cheio para os fãs de Harry Potter e As Crônicas de Gelo e Fogo, por ter um aspecto fantástico, simples e despretensioso. Com uma narrativa viciante, percebemos que talvez o a autor não queria um livro que fosse maravilhoso, porque talento ele tem pra isso, mas que Inverno Negro fosse simplesmente marcante e com uma boa história. 
   
   O livro possuí boas qualidades e com ele se é possível ir além do entretenimento, alcançando algo mais importante: o conhecimento. Leitura muito bem recomendada — ansioso pelo segundo livro! Deixo agora um vídeo feito pelo próprio autor onde são elencados os motivos para se ler Inverno Negro, confiram abaixo:

         


5 Comentários

  1. Olá, Pedro!
    Vi sobre esse livro em outros blogs e fiquei encantada *-* A estória parece ser incrível e agora depois de ler sua resenha tenho certeza que vale a pena lê-lo ;-)
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.com.br

    ResponderExcluir
  2. Pedro, amei sua resenha. Gostei muito da premissa do livro. Com certeza, se tivesse oportunidade, eu o leria.

    Beijos

    http://meninasnaliteratura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro, mas achei a história bem interessante e cheia de ação.
    Gostei muito da sua resenha, fiquei com vontade de saber mais.
    Beijos
    http://recolhendopalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Amei sua resenha, Pedro! Não conhecia o livro, mas parece ser dos bons!
    Bjs
    http://umleitornooceano.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Pedrooooooooooooo volteiiiiiiiiiiiiii!! migoooo você arrasa na resenha, mas sabe aquele livro que eu queria que virasse filme, pra eu não ter que ler? kkkkkkkkkkk, é esse.
    Beijos, Bru - www.naoemprestolivros.com.br

    ResponderExcluir