Título:  A Canção de Alanna
Autor: Tamora Pierce
Edição: 1
Editora: Única
Ano: 2015
Páginas: 256

A coisa que Alanna mais quer no mundo é ser uma guerreira extraordinária, que vença batalhas e consiga ajudar as pessoas. Ela só tem um problema: no reino de Tortall, meninas não lutam, ou melhor, não fazem quase nada. Então, para realizar seu sonho, ela deve arriscar a própria vida tornando-se Alan de Trebond. Esta é sua primeira aventura, e pode ser a última caso ela não seja forte o bastante para superar as próprias limitações e controlar sua magia, que é mais poderosa do que a maioria das pessoas pode suportar. Para piorar, Alanna é a única capaz de combater o mal que se abateu sobre o reino de Tortall. Está em suas mãos salvar o herdeiro do trono e derrotar os seres milenares que habitam a terrível e amaldiçoada Cidade Negra. O fracasso não é uma opção. Sua grande batalha já começou. Ela pode morrer, ou pior: perder a própria alma para sempre! “Ela estava apavorada: seu rosto parecia quente, as mãos tremiam. Se fracassasse, teria de deixar a corte. Aquele era o dia. Ela nunca se sentira tão forte e tão preparada.”

Classificação:

   A Canção de Alanna, lançamento de Maio da Única, foi escrito há mais de 30 anos, mas só chegou ao Brasil em 2015, graças ao empenho da Editora Única. Uma história sobre aventura, magia, ação, história medieval  e muitos altos e baixos. 

   A trama se inicia rápida e fluida, mostrando o desejo da protagonista, Alanna, de se tornar uma guerreira. Ela deseja lutar, mas isso não é permitido para garotas, já seu irmão quer ser um feiticeiro, e ambos compartilham em comum o desejo de poder escolher o futuro de suas vidas. Os dois irmãos resolvem mudar isso, completamente. Alanna torna-se Alan e seu irmão gêmeo segue para um convento, no intuito de aprender a arte da feitiçaria. 

   Contudo, Alanna tem um Dom e não pode fugir disso, já que foi uma coisa predestinada pelos deuses. Se quiser sucesso em suas aventuras, ela terá que aceitar tudo que lhe foi destinado e lutar contra pessoas que querem seu mal. Alanna não gosta de magia, mas devido aos desafios, terá que fazer um bom uso de seus dons. A garota só não esperava que nessa aventura, em busca do que sempre quis, pudesse encontrar outras coisas e fatos antes inesperados. 



   Narrado em terceira pessoa, a trama é muito bem elaborada e idealizada no mesmo nível. Possui uma simplicidade singular, algo realmente único, que na minha opinião não desagrada. A narrativa tem um tom leve, típico infantojuvenil, e é compostas de personagens bem feitos e bem estruturados, dando ao livro um aspecto bem dinâmico e real. Alanna, a personagem central, tem uma personalidade típica dos adolescentes: forte, determinada, vibrante e segura. No todo, os personagens são muito bem feitos e é quase impossível criar aversão por alguns deles.

   O livro é o primeiro de uma série de quatro, sendo que, possivelmente, a Única publicará os demais. Vamos aguardar, até porque é uma leitura muito gostosa e inteligente, principalmente por abordar, nas entrelinhas, questões como o feminismo e, principalmente, sobre a vida e as escolhas que fazemos. 

  Não tenho críticas negativas sobre o livro. Há sempre alguns, poucos, pontos, mas acredito que eles são muito irrelevantes para serem discutidos, principalmente pelo fato de não sobressaírem os positivos. O livro é um infantojuvenil e isso é muito importante na hora de avaliar a obra, devido as características fortes do gênero, portanto acredito que essa história, sem dúvida, vai agradar mais aos mais novos, adolescentes e crianças.

   A edição da Única ficou maravilhosa, melhor ainda que a edição original dos EUA. A capa condiz claramente com a história, retratando Alanna e sua espada, e tem uma lombada incrivelmente retangular, de um material bem brilhoso e macio. Não encontrei erros de revisão e a diagramação ficou ainda mais incrível que o resto, com design interior muito bonito e com mapa para melhor compreensão e situação do enredo do livro. A escrita da autora também merece todo o tipo de parabenização, é tudo muito claro e agradável. A inteligência é, sem dúvidas, seu ponto mais forte.

   A Canção de Alanna, representa muito bem seu gênero e tem um dinamismo muito bacana. Uma história não só de aventura, mas sobre a amizade, a vida e a lealdade. É um misto de sentimentos e de características que agradam de forma única. Arrisque, sem medo e tenha esse livro em sua estante, é uma leitura rápida e sem enganchamentos. A aventura, assim como o livro inteiro, é bastante envolvente. Venha se perder nas aventuras, ou desventuras, se preferir, de Alanna.



2 Comentários